Segurança

Alinhamento e balanceamento das rodas garantem mais segurança nas viagens

O alinhamento ajusta os ângulos da suspensão e das rodas, enquanto o balanceamento evita vibrações em baixas e altas velocidades

O alinhamento ajusta os ângulos da suspensão e das rodas, enquanto o balanceamento evita vibrações em baixas e altas velocidades

A temporada de férias de verão está chegando e, com ela, é preciso não apenas se preocupar com o roteiro do passeio. Lembrar de fazer um check-up no veículo é fundamental para garantir uma viagem tranquila e segura pelas estradas. Muita gente se descuida, mas alinha e balancear as rodas, garantindo mais estabilidade para o veículo e segurança para os ocupantes, é fundamental. Isso sem falar nos benefícios indiretos da manutenção preventiva, que são as reduções do desgaste prematuro dos pneus, dos componentes do sistema de suspensão e, de quebra, do consumo de combustível.

O alinhamento ajusta os ângulos da suspensão e das rodas, fazendo com que as elas girem no mesmo eixo direcional. O balanceamento, por sua vez, evita vibrações em baixas e altas velocidades. “O ideal é realizar o alinhamento e balanceamento em oficinas que possuam equipamentos de teste e de diagnose, visando garantir uma análise mais assertiva e qualidade nos procedimentos”, salienta o gerente de assistência, serviços e treinamento da Bosch, Daniel Lovizaro.

Como é normal ocorrer desgaste não uniforme entre os pneus dianteiros e traseiros, a realização do rodízio de rodas de acordo com as especificações do fabricante do veículo também proporciona maior vida útil para o jogo. De acordo com o site “Mercado Mineiro”, o custo médio de alinhamento e balanceamento, na Grande BH, varia de R$ 40 a R$ 120 – para as quatro rodas.

Nunca é demais lembrar que o alinhamento e balanceamento devem ser realizados de acordo com a especificação do manual do fabricante do veículo. “Para identificar se é necessário efetuar os processos, a orientação é observar se existe vibração no volante ou se o carro fica puxando para o lado, durante a condução normal ou mesmo durante uma frenagem. Outro fator que pode ser observado é se os pneus “cantam” nas curvas mesmo em baixa velocidade”, ilustra Lovizaro.

Ele lembra que no caso de carros rebaixados e mesmo aqueles que usam rodas maiores do que as indicadas pela montadora, o cuidado deve ser redobrado.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


Vídeos

Mais Lidas

Topo