Honda

Com motor turboalimentado, Civic EX-T oferece a mesma performance da versão Si

Honda-Civic Touring 2016

Como a participação do Civic está em queda, caiu de 22,5% entre os sedãs médios, em 2014, para 16,7%, no ano passado, a Honda apostará todas suas fichas nesta nova geração

É rodando que a décima geração do Civic mostra sua maior evolução. A versão topo de linha, Touring, traz sob o capô a nova motorização turboalimentada (1.5 litro 16V) de 176 cv, que garante ao sedã uma performance semelhante à das versões Si que os brasileiros conhecem. A unidade é combinada exclusivamente a uma transmissão automática de variação contínua (CVT), que conta com três modos de condução: D, normal, S (Sport) e L, para situações em que o freio motor se faz necessário, como em descidas de serra. Em testes feitos nos Estados Unidos, o sedã acelerou de 0 a 98 km/h (0 a 60 mph) em 7,2 s, 0,6 s mais rápido que a versão LX, equipada com o novo motor 2.0 litros 16V de 160 cv, combinado ao câmbio manual de seis marchas.

É um Civic bem mais esperto, ágil no trânsito e nas ultrapassagens, mas que não mantém, nem de longe, o mesmo apetite dos modelos equipados com propulsores de grande deslocamento – aqui, não adianta achar que uma unidade que trabalha como um liquidificador terá a mesma disposição para as altas velocidades de um V6, com 240 cv ou mais cavalos. Todavia, para um pacato Honda, está ótimo – bom até demais!

Com mais força, o modelo calça pneus mais largos, 215/50 aro 17 a partir da versão EX-T, e ganha novidades tecnológicas como a função Motion-Adaptive da direção com assistência elétrica (EPS), que dá uma mão para o condutor ajudando-o a manter o carro sob controle em situações de derrapagem. O LaneWatch é outro recurso muito interessante, que projeta imagens de uma câmera que fica no retrovisor direito na tela de 7 polegadas do sistema multimídia, toda vez que o motorista dá seta para a direita.

No console, ela aparece quatro vezes maior do que no espelho, melhorando a visibilidade.

 

PARTIDA REMOTA

O piloto automático adaptativo (ACC) permite que o motorista defina o intervalo entre o veículo que vai a frente e incorpora a função Low-Speed Follow

O piloto automático adaptativo (ACC) permite que o motorista defina o intervalo entre o veículo que vai a frente e incorpora a função Low-Speed Follow

Além do alerta de desvio involuntário de faixa (LDW), o Road Departure Mitigation (RDM) detecta a iminência de uma saída de pista e não só aplica uma força sobre o volante, trazendo o Civic de volta para a estrada, como aciona os freios automaticamente para evitar o pior – pena este auxílio ter sido desenvolvido para rodovias norte-americanas e sua aplicação, no Brasil, ser um verdadeiro desafio. O piloto automático adaptativo (ACC) permite que o motorista defina o intervalo entre o veículo que vai a frente e o novo Civic, e também incorpora a função Low-Speed Follow para o anda e para dos congestionamentos.

A chave com reconhecimento presencial e partida por botão ganha função remota, que aciona o motor e a climatização por controle remoto – funcionando por até dez minutos, antes de o condutor embarcar. Some a isso comandos de voz para navegação e até leitura e envio de mensagens (SMS) e temos um Civic mais conectado.

Mas tudo serve serve para quê?

Amanhã, vamos contar se o modelo está mais eficiente e quais os ganhos reais de tudo isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


Vídeos

Mais Lidas

Topo